top of page

Sobre frustração que professores de yoga encontram nos primeiros anos… e como superá-la

Hoje o papo é com os meus queridos colegas de profissão. Uma profissão que é uma missão, tão importante quanto todas as outras: o instrutor de yoga.


Você iniciou a praticar e amou o yoga. O yoga mudou a sua vida, a sua percepção, a sua alimentação, muitas vezes a sua maneira de se vestir, de se relacionar... a revolução interna foi TÃO grande que você não poderia mais viver sem essa ferramenta 24h por dia na sua vida.


E então, meio incerto e inseguro você fez a sua formação em yoga, fez grandes amigos, passou por imensas transformações, riu, chorou, sentiu o coração se abrir e derramar amor por todos os seres. E aí a formação terminou, e você iniciou a estar do outro lado da sala de aula, no tapete do professor. Logo vieram os primeiros choques de realidade: o corpo cansado de demonstrar as práticas; a sua prática pessoal diária começou a falhar pois faltava energia; as aulas não ficaram lotadas logo de cara (os seus amigos que prometeram ir acabaram só indo fazer a aula experimental e sumiram). Enfim, vocês entendem do que estou falando né?


A realidade começa a pesar, as contas a apertar e uma dúvida a surgir: será que isso é pra mim? Por que as coisas não estão fluindo? O que há de errado?

Como professores de yoga, seguimos muitos instagrammers famosos, com centenas de milhares de seguidores, viajando o mundo e vivendo uma vida aparentemente perfeita. Afinal, é isso que postamos nas mídias, não é? E então nos frustramos por estarmos batalhando pras nossas turmas e workshops fluírem, pra fazer os nossos cursos e viagens de autoconhecimento... Por trás dessa vida glamurosa, há muito trabalho duro, muitas vezes horas na frente de um computador, planejamento da agenda, muita prática pessoal, muito estudo, e muitas (mas muitas) aulas dadas antes de se tornarem ‘famosos e reconhecidos’.


A maioria de nós acredita que ser professor de yoga é ter uma vida bem tranquila, com horas de prática diária, caminhada no mato, passear na praia. Mas a verdade é diferente. Temos que entender que ter a profissão de yoga, nem sempre implica em ter uma vida calma. Muitas vezes não, pelo menos nos primeiros 30 anos. Temos que dar duro, ir de um lugar pra outro o dia todo, muitas vezes trabalhar de final de semana, estudar com os nossos professores do coração, promover o nosso trabalho, tirar fotos, e é claro, o mais importante: praticar.


A verdade é que por trás da grande maioria destes profes super bem sucedidos há quinze, vinte, trinta anos de prática e ensino. Há o comprometimento em se manter ligado no que rola no mundo do yoga, o comprometimento em estar sempre estudando e se aprimorando, em se doar e se jogar sem medo e de cabeça no dharma, a sua missão de vida! E isso leva tempo, meus queridos. Nenhum profissional que se forme numa faculdade de 5 anos vai estar super hiper mega “bem-sucedido” nos primeiros anos. Abhyasa e vairagya para tudo na vida: prática constante e desapego aos seus resultados. Com os anos, com a prática, com a dedicação, os frutos surgirão.

Então não pense nos resultados logo de cara, foque naquilo que você pode fazer agora, para que você cresça pessoal e profissionalmente.


Aqui vão algumas dicas para manter o foco naquilo que pode ser feito, ao invés daquilo que você gostaria que estivesse acontecendo:


#1 Mantenha a sua prática em dia

Esta é a dica mais importante. Quando converso com amigos a respeito de professores respeitados no yoga, a coisa número 1 entre eles é que eles se comprometem com a prática. O ideal é fazer uma prática completa, mas muitas vezes não temos 60min ou 90min disponíveis do nosso dia. Neste caso, faça uma prática curta, que seja de 20 minutos. Inclua pranayama, algumas voltas do surya e relaxamento. Não descuide deste ponto, pois como você irá guiar alguém em alguma coisa que nem você mesmo está familiarizado?


#2 Não se compare aos outros

Eu sei que é mais fácil falar do que fazer, mas nunca se compare a outros professores, a outros praticantes. Compare-se sempre com você mesmo há algum tempo atrás, veja tudo o que você já conquistou, todo o caminho percorrido até chegar aonde você está. Honre e respeite a sua história.


#3 Não perca a sua alma...

Bem impactante, né? Mas muitas pessoas perdem amizades e se esquecem do motivo inicial de terem se tornado professores, focando demasiadamente em vendas, lucros, fotos, fazer stories, em como ser melhor do que os outros. Lembre-se que a própria filosofia do yoga nos diz que somos todos feitos da mesma substância, somos todos iguais. Mantenha sempre a humildade em cheque.


#4 ...Mas também não pense que você não deve fazer o seu marketing

Não tenha medo de se profissionalizar, de fazer flyers, de escrever, fazer vídeos, dar dicas, etc. Procure ser sincero ao fazer a sua propaganda, fale do coração, compartilhe aquilo que você acredita, aquilo que é relevante na vida e na prática.


#5 Entenda que há seu tempo para tudo

Faça acontecer, mas dê tempo ao tempo. Lembre-se que a prática é para a vida inteirinha. Logo, que o ensino é também para a vida inteira. Daqui a 20 anos você terá toda a experiência que os seus professores hoje têm, e com isso muitas oportunidades virão até você.


Que a gente trabalhe duro não pra ficar rico ou alcançar metas, mas já que nos dispomos a abraçar essa profissão, que façamos isso com unhas e dentes, com paixão e amor, intensidade e leveza, pelo simples fato de que ao compartilhar o yoga nós estamos realmente ajudando pessoas, por aprendermos tanto com os nossos alunos, por recebermos uma dosagem de Prana incrível ao final de cada aula.


Comprometa-se de verdade com aquilo que vibra no seu coração e todos os frutos virão! Tenha paciência, os melhores professores levaram décadas para se tornarem o que são, e só se tornaram assim pela constância e amor e a essa revolução interna que o yoga proporciona a todos que seguem esse caminho.


Espero que essa postagem tenha sido útil e pertinente :) Você se identifica com as minhas colocações? Há algo que eu não pontuei que você gostaria de pontuar? Escreve ali nos comentários!


Grata pelo seu tempo aqui comigo,

Um grande abraço,

Namaste.

116 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Why talk about racism in yoga?

After a hiatus without writing on the blog, I come back with an extremely pertinent subject for the moment we are living. Few things have touched me more than the #blacklivesmatter demonstrations in t

1 Comment


Nina querida amei esse texto. Parabens e gratidão imensa por compartilhar 🙏🏼🕉

Like
bottom of page